Loading...

Gentil furacão

2018-03-04T19:06:04+00:00

Sou doença e sou remédio. Sou pergunta e resposta. O anseio por sentido mora dentro da minha casa. Sou a parte que me bate, sou o réu que sofre e apanha. Mas a lágrima que me escorre é a mesma que me ganha e me leva, e me lava e logo morre.

Sou coragem e vivo em meio ao medo de que vejam a fraqueza que me leva ao meu forte. Sou cor viva, sou pastel; amargo mel e doce fel, no teu porto e à deriva.

Sou dois em um. Duas metades que se excluem e dividem. Meios que se entrecruzam sem respeito algum. Quando luto eu me ganho. Quando perco, me levanto. E caminho pelo ar, e me escapo da razão.

Nessa grande contradição, me dou o benefício do voo, do salto no recomeço, na aposta da reconstrução. Me olho no fundo dos meus medos. Encaro as rasas (in) certezas. Jogo uma flor em minhas trevas. A pétala suave tem cor exótica e fibra forte. Ela é meu norte. Se sugada pela escura realidade, ela voa e renasce. Ela é a verdade. Ela é quem eu sou.

A Verdade não se impõe. Se apresenta. Não se apressa e nem é lenta. Como gota insistente, é imagem no espelho que incomoda a gente, ao mesmo tempo que liberta. Vai ganhando seu espaço até trazer a solução pra terrível condição de quem vive no cansaço de se saber contradição.

A Verdade é o gentil furacão que eu preciso carregar em todos os meus voos.

André Nascimento

“Gentil furacão” foi escrito a partir da proposta “Janelas”, do SOMMA Coletivo de Arte.

O Janelas propõem a troca de olhares entre a poesia e a imagem. É um convite para o encontro e o desdobramento da relação dessas linguagens. À partir da escolha de um cenário entre os espaços públicos da cidade onde vive o artista inspirador de cada edição, dá-se início de um processo de diferentes leituras e traduções de um mesmo olhar.

Nessa 2ª edição a arte inspiradora foi o quadro “Esperança” pintado por Staci Dunn, traduzido em diversos textos poéticos.

Sobre mim

Sou poeta, escritor e músico: artista-pássaro que busca levar beleza e verdade, poetizando a vida que Deus sempre quis. Atuo, canto e escrevo contos, crônicas, poesias e artigos.

Últimos textos